segunda-feira, 18 de abril de 2011

No interior do meu interior

 Um dia, passeando pelo jardim, Catarina viu uma casa nem velha nem nova, nem feia nem bonita, nem abandonada nem habitável... Era um lugar que a atraía. Lá foi, como sempre, curiosa, investigativa, louca pelo novo, pelo mistério, pela aventura, pelo aprendizado!!!

Chegando lá ela viu um homem, nem velho nem novo, nem feio nem bonito, nem sozinho nem acompanhado... Cheio de pessoas ao redor, mas ele se destacava entre todos, pois ele era diferente, único, não encontrava ali alguém para sua atividade...

Foi quando Catarina decidiu se aproximar. Ele olhou para ela e a princípio sorriu. Como o sorriso de Monalisa, nem demais nem de menos, nem contagiante nem triste, nem de canto a canto nem sem graça... 

Ele então, ao vê-la se aproximar, pegou sua ferramenta de trabalho mais preciosa!!!! Ele é meio Aristotélico e procura viver a vida comedidamente, por isso não demonstrou tanta felicidade... mas na verdade, ele estava radiante por Catarina estar ali... Ele estava empolgado.

Mas, ao ver a chave inglesa em sua mão, Catarina teve medo, ficou sem saber o que estava por vir... Ele, sempre muito esperto (!!!) logo a deixou calma e consciente de tudo o que ele queria... 

E ela então consentiu!!!

Sentou-se em sua frente, acomodou-se bem, relaxou, baixou a guarda, se abriu, e permitiu que ele trabalhasse... Ela sabia que dali em diante tudo em sua vida ia mudar! Ela nunca mais seria a mesma... Apesar disso, ela queria aprender novos modos de ser Catarina!


Então, ele proibiu que ela tomasse anestésicos, analgésicos, antiinflamatórios... Fez a tricotomia, e depois um corte transversal no crânio. Por fim, com a chave inglesa... começou a apertar seus parafusos! 

5 comentários:

  1. Espero que sim!!! Gosto muito de Catarina!!! rssss Obrigadíssima pela visita! BjooO!

    ResponderExcluir
  2. Feliz pela impressão de que, apesar das experiências e mudanças, nos novos modos de ser Catarina, a menina do texto sempre se tornará cada vez mais Catarina. Rsrs.

    ResponderExcluir
  3. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk, eu acho q sei quem é o homem da ferramenta,kkkkkkkkkkkkkkk!!! Lindo texto amiga! Linda Catarina, bem vindas ferramentas e seus efeitos!!!

    ResponderExcluir
  4. Vez ou outra este Senhor passa pelo meu crânio a apertá-lo...Sinto-me acostumada e já nem dói...Suas mãos são delicadas, e não sei cm ele consegue, mas sabe o centímetro correto de cada aperto, não folga demasiado, nem aperta q cause dores na cabeça grande e dura que tenho. Ele me deixa ser como Catarina.

    ResponderExcluir