domingo, 15 de outubro de 2017

Sobre o Dia do Professor no Brasil de 2017

Datas comemorativas são apenas formalidades.
Sabemos que enfrentamos restaurantes lotados no dia dos namorados só para cumprir um script, pois, às vezes, é inclusive lá onde nos questionamos o que ainda estamos fazendo que não terminamos aquele relacionamento.
Dia dos professores chegou e fico me perguntando quanta demagogia nos cartões que recebo em mídias sociais, sendo que ontem mesmo recebi inúmeras mensagens de como a sociedade tem que se levantar para impedir que professores imponham sua “ideologia” em seus filhos!
Os últimos acontecimentos sobre exposições de arte no Brasil não demoraram para que a celeuma do discurso conservador recaísse nos professores que levam seus alunos para os Museus. Papel esse que é também da escola! Mas desafio àqueles que se levantaram contra a arte a responderem não para mim, mas para si mesmos, quantas vezes foram ao Museu, ou levaram seus filhos ao Museu. E para aqueles que moram em cidades que não tem Museu, quantas vezes visitaram um, quando estiveram em cidades que tem.
Entendo que o campo de batalha que se abre no Brasil hoje não é a arte, nem a ida aos museus, muito menos um levante contra a pedofilia. Mas é ter o controle sobre o que se pensa e o que se produz de conhecimento. Lembrando de Michel Foucault, digo que é uma guerra que disputa a soberania de um único regime de verdade para a sociedade. Há uma grande reação contra um tipo de conhecimento que rege um tipo de saber, mas também um tipo de modo de vida. E se para Foucault a sexualidade era o ponto de concentração dos poderes ao corpo-população e ao corpo-espécie, eu digo que o professor é o ponto de concentração da produção do conhecimento múltiplo, diverso, abrangente, questionador, e que tem o poder de influenciar gerações.
Numa perspectiva crescente dessa batalha para impor um único modo de ser e de pensar na sociedade, o professor está na linha de frente como inimigo número 1 dos reacionários. Se já não bastasse ser uma profissão pouco valorizada e remunerada, ainda temos que enfrentar agora toda uma sociedade raivosa, perversa, castradora e intolerante ao diálogo e aos saberes diversos de suas próprias ideologias.
Você já se perguntou porque acreditamos que tal comportamento é o certo e não aquele? Você já se perguntou quem/quando/como se valorou tal atitude em detrimento de outra? Qual regime de verdade você segue? Quais verdades (e não estou aqui questionando se é mesmo verdade ou não), mas quais as “verdades” que você escolhe para si mesmo entre todas as “verdades” que lhe são apresentadas? Por que você escolhe essas e não outras? Qual a influência da legislação brasileira, ou da religião que você professa ou ainda da recomendação médica e/ou científica que faz com que você escolha essas e não outras? Qual “verdade” você escolheu sem que seja interferida por nenhum desses poderes-saberes acima? Se no final das contas, você percebe que nada do que você toma de verdade para si é puramente seu, isso significa que alguém quer tornar esses poderes-saberes universais. Reuni-los sob uma única forma de pensar. E transformar o professor em um reprodutor de uma única voz, de um único saber, de uma única forma de pensar a sociedade e seu regime de verdade.
No dia de hoje, eu quero mesmo é que pelo menos nós, professores, saibamos o que nos espera!
Que saibamos contar com o apoio uns dos outros. Porque só a luta muda a vida. Mas a luta que se luta junto é que vira realidade.
Boa guerra para todos nós!

terça-feira, 10 de outubro de 2017

A favor da Família

Sobre esse texto que anda rolando nas redes sociais ultimamente e adaptado da resposta de Luiz Paulo Comério:
Vamos por partes:
1. "Vivemos numa época onde querem que os padres se casem e que os casados se divorciem."
Errado! Vivemos numa época onde católicos estão questionando o celibato e onde não somos mais obrigados a viver num casamento infeliz.
2. "Querem que os héteros tenham relacionamentos líquidos sem compromisso, mas que os gays se casem na Igreja."
Errado! Não vejo ninguém fazendo passeatas para que os héteros que têm compromissos sérios e fiéis passem a ter relacionamentos sem compromisso. Os relacionamentos líquidos sempre existiram. E quem quer que escolhe um e outro não está escolhendo por imposição, mas por livre escolha. E, desde que os envolvidos nas relações estejam de acordo, que seja respeitado a escolha de cada um. Quanto a gays casarem na Igreja: não existe nenhum movimento reivindicando isso. Há a reivindicação do casamento civil, que é um direito, afinal gays pagam impostos e devem ter os mesmo direitos que heteros. Para aqueles que desejam casar-se em igreja se deve ao fato deles entenderem outro tipo de evangelho, o qual eles não se sentem pecadores diante de Deus e desejam tanto quanto qualquer outro fiel a bênção divina sobre sua relação. Infelizmente para esses, existem poucas igrejas que os aceitem, mas de maneira nenhuma há uma mobilização, uma coerção para que as igrejas sejam obrigadas a isso, Faz casamento de gays apenas as comunidades de fé que estejam mais a fim de serem levadas pelo sopro do Espírito, que sejam servas do movimento de Jesus, do que as que estão ajoelhadas para a lei e para os dogmas religiosos. Sem falar que os querem casamento em igreja são pouquíssimos, um ou outro que têm uma relação muito forte com a religião, porque a imensa maioria dos gays não querem as bênçãos de instituições tão sanguinárias como as igrejas.
3. "Que as mulheres tenham corpos masculinizados e se vistam como homens e assumam papéis masculinos. Querem que os homens se tornem "frágeis" e delicados e com trejeitos, como se fossem mulheres."
Errado. Ninguém está impondo gênero à ninguém, mas se está discutindo a Igualdade de gêneros, onde mulheres tenham o direito de assumir qualquer papel social. Não existe isso de papéis femininos e papéis masculinos!! Nós todos podemos desempenhar qualquer função social!! E quanto aos homens, nunca ouvi tamanha asneira, ao dizer que alguém quer que os homens tenham trejeitos, sejam frágeis... Os homens devem ter respeito para com as mulheres, a fim de que não tenhamos mais casos de ejaculadas em nossos pescoços dentro de ônibus! Homens devem ser criados aprendendo que chorar é do ser humano, é coisa de menina e de menino. Que eles podem sim mostrar seus sentimentos, que eles podem sim pedir perdão, que eles podem sim ver as mulheres como parceiras e não como subordinadas.
4. "Uma criança com apenas cinco ou seis anos de vida já tem o direito de decidir se será homem ou mulher pelo resto da vida, mas um menor de dezoito anos, não pode responder pelos seus crimes."
Mentira! Uma criança de 5 anos não tem o direito de decidir sobre sua genitália. Quem afirma isso desconhece que a cirurgia de mudança de sexo é permitida apenas a partir dos 18 anos definidos pelo Conselho Federal de Medicina. Além disso qualquer processo de transexualização somente é permitido pelos pais, a criança não tem autonomia para isso.
5. "Não há vagas para os doentes nos hospitais, mas há o incentivo e o patrocínio do SUS para quem quer fazer mudança de sexo."
Aff! Essa foi horrível!!! O problema de saúde pública não pode ser resolvido negando a uma população seu acesso. O SUS não incentiva e nem patrocina mudança de sexo; isso é saúde, um direito que a população tem. Como transexuais, que pagam seus impostos, elas têm total direito de serem atendidas.
6. "Há acompanhamento psicológico gratuito para quem deseja deixar a heterossexualidade e viver a homossexualidade, mas não existe nenhum apoio deste mesmo SUS para quem deseja sair da homossexualidade e viver a sua heterossexualidade e se o tentarem fazer, é crime."
Mentira! Não há nenhum tratamento que transforma hétero em gay. Dizer isso é de má fé a fim de fazer com que a sociedade aceite a tal "cura gay". Mas isso é charlatanismo, ou seja, crime! Quem quiser ir ao psicólogo / psicanalista/ psiquiatra resolver suas questões internas está completamente permitido. Seja elas quais forem. E sobre defender "tratamento de reversão sexual": A Igreja nunca esteve preocupada com a saúde mental de homossexuais. Pois se estivessem não perturbariam o tempo todo os homossexuais com palavras de pecado. Isso sim traz culpa e problemas sérios de saúde mental para os gays que são cristãos. Isso tudo não passa de uma tentativa de justificar a homofobia.
7. "Ser à favor da família e religião é ditadura, mas urinar em cima dos crucifixos é liberdade de expressão"
Não existe ninguém que seja contra a família. Ninguém quer destruir a família, tanto que LGBT´s querem que os Estado reconheça suas famílias, para terem os mesmos direitos que casais heterossexuais. No entanto, conservadores querem que homossexuais sejam proibidos de constituir família, sendo assim, aqui está quem realmente defende ditadura! Reproduzir um discurso colocando gays contrários à família é desonesto, pois o que está por trás desse discurso não é preservar a família, mas sim aumentar a discriminação contra homossexuais. Vilipendiar símbolos religiosos é crime, e o ato de uma pessoas não pode ser generalizado.
.
Desonestidade é doença mental, uma esquizofrenia social. É ela sim quem destrói a sociedade.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Minha Maternidade Real

Desde que meu filho nasceu não tenho me reconhecido. Todo mundo fala que a maternidade muda uma pessoa para sempre. E a gente acha que essa mudança é pra melhor. Melhor ou pior não é a questão, e sim que nossa identidade muda. Até nos encontrarmos em meio à essa mudança leva tempo e provoca algumas dores.
Penso que nem toda mulher precisa passar por essa experiência de ser mãe. Nem toda mulher quer essa mudança tão radical. Até porque não é apenas uma experiência, é uma mudança de vida. Sem volta!

Com um bebê de 5 meses em casa e ainda de licença maternidade percebo que ter filho é pra quem não tem o que fazer. Se a gente já tem uma vida corrida, vive querendo que o dia tenha mais de 24 horas, pra quê arranjar uma criança? Pra se lamentar pro resto da vida? Ou pelo menos pros próximos 10 anos de vida? (Por falar nisso, quando é que uma criança já pode ficar sozinha em casa? Com 10, 12 anos?).
Que inveja eu tenho do meu companheiro! Pode sair a hora que ele quiser ou precisar. Não precisa se levantar 4, 6 vezes na noite pra dar de mamar. O bebê não chora querendo o peito dele e vive relativamente bem sem sua presença integral. Pode sair pra ver amigos, não está com o corpo deformado e ainda ganhou um filho pra todo mundo achar ele o máximo quando ele o carrega na rua ou quando aparece uma foto deles dois nas redes sociais. Ser pai parece bom, mas já não posso dizer o mesmo de ser mãe...
Dizem que quando eu voltar a trabalhar, melhora. Que minha identidade de mulher, profissional, aos poucos retoma a superfície e vai se encaixando nessa nova identidade-mãe que chega chegando, desbancando tudo e se achando a única dona do pedaço...
Eu sinto falta de tanta coisa... E queria ter uma graninha no fim do mês... Eu queria poder voltar a fazer poupança. Pelo menos queria não ficar no vermelho... Eu queria poder viajar, relaxar, dormir na hora que eu quiser, não acordar de madrugada... Eu sinto falta da minha vida! Sinto falta de me encontrar com meus amigos, não precisa nem ser de noite, nem ser num bar (o que seria o céu!). Pode ser à tarde, na casa de uma amiga... Queria poder conversar por horas, assistir filme de legenda e poder ler cada frase com atenção. Queria poder ler um livro! Mães de todo Brasil, sejam sinceras(!!), quando vocês leram um livro inteiro depois que seus filhos nasceram? E tô falando de leitura com atenção, pra estudar... Qual a idade deles? Com quem e onde eles estavam enquanto vocês estavam podendo se deliciar com a leitura?? Como faz uma dissertação com filho pequeno? Como faz pra continuar com seus projetos de vida sem ter que gastar todo o seu dinheiro com babá e hora extra? E quando é que terei um bom momento com o companheiro? E uma boa noite de sexo? Quando poderemos sair pra nos divertir sem nos preocuparmos com filho? Por que as pessoas têm filhos se sabem que o casamento vai estar em privação por tempo indeterminado? ...

Dia desses vi na internet uma pesquisadora que escreve sobre isso: mulheres que se arrependeram de ter filhos. E que mesmo depois de anos, elas continuam achando que nem toda mulher precisa ter filhos e que apesar de amarem seus filhos, se arrependem de tê-los tido devido as consequências que uma criança gera na vida da mãe. (Vejam aqui e aqui)
Definitivamente, eu não devia ter tido nesse momento. Mas agora que não posso mais voltar atrás, o que fazer? Aceitar? Resignar-me? O que fazer para não viver triste e se lamentando, como uma pessoa chata e mau humorada? (Os links acima dão algumas soluções.)
Meu filho é uma gracinha! Está bem de saúde!! Minha família veio de longe passar o feriado com a gente só por causa dele. E foi maravilhoso nosso encontro. Já marcamos para as férias nos vermos de novo!! Isso é muito bom. Aproximar da família, ter bons momentos com todos. Mas isso não é a minha vida. Isso é férias e feriado, não é cotidiano. E viver de férias e feriado  não é a minha praia...


Descobri que amar é cuidar. Que amor não é sentimento. Amor é entrega, é abnegação, é trabalho. E eu não estou falando de amor sem carinho, porque este é desatencioso e acaba caindo no descuido. Mas amor é antes de tudo ação e não sentimento. Diante disso, posso dizer que amo meu filho. Mas está longe de ser a vida que pedi a Deus... Meu sentimento hoje é que a maternidade roubou minha vida de mim.


domingo, 14 de maio de 2017

Sobre Orquídeas, Filho e o Tempo



Ano passado eu e meu companheiro ficamos grávidos. Foi uma grande surpresa!! 
Um tempo depois, pensei num filme daqueles de "Sessão da Tarde" que assisti faz tempo. 28 dias. É um filme com Sandra Bulloc onde ela precisou ficar internada por 28 dias numa clínica de recuperação para viciados e lá ela ouviu uma lição que devia aprender a cuidar bem de si e de outras pessoas. Mas para isso, ela primeiro devia cuidar bem de uma planta, caso a planta não morresse, que ela começasse a criar um animal, e por fim, ela estaria pronta para cuidar de um filho e de si mesma.
Quando fiquei grávida, não sei porquê, pensei nesse filme. E pensei que as plantas de que havia cuidado em 2015 morreram e o único animal que tive na vida, um peixe, foi "assassinado" por um gato de rua que entrou em minha casa e capturou meu peixe dentro do aquário...
Sem pensar na história do filme (talvez apenas inconscientemente), ano passado comprei uma orquídea para alegrar o apartamento onde morava com meu companheiro. 
Um mês com a orquídea até que suas flores murcharam e caíram. De lá pra cá, só folhagem...
Cuidamos da orquídea nesse tempo, mas confesso que muitas vezes a orquídea cuidou de si mesma... Fizemos uma mudança de cidade e alguns períodos viajando, longe de casa. Mas também fui ao horto e comprei um vaso específico para orquídeas e aditivos orgânicos e adubos próprios para a planta. Aah sim! Também tivemos ajuda especializada da sogra para fazer esse manejo. É bem verdade que a orquídea precisou ser resistente às intempéries de seus donos. Afinal, um ano é bastante tempo... e nesse período muitas águas rolaram, e muita falta d´água também.
Mas um ano se passou e numa manhã despretensiosa, a orquídea floresceu.
Com a gestação foi diferente. Prioridade em tudo. Mil cuidados. Todos os exames e pré-natal em dias. Fiz de tudo para que o parto fosse natural, mas infelizmente não deu. Uma intervenção cesariana de urgência. No fim, tudo correu bem e 40 semanas e um dia depois... em janeiro desse ano, Ravel chegou.
Com um filho nos braços de quase 4 meses e minha orquídea florescendo (ah sim... demorei uns 3 dias para conseguir terminar esse texto e nesse período meu mandacaru também floresceu!!) me veio a ideia de que filho e orquídea tem tudo a ver. Os dois precisam de tempo. Tempo para maturar. Tempo para crescer. Tempo para responder aos seus cuidados. Tempo para florescer. E na maior parte do tempo, convivemos com as folhagens, com a rotina, com a simplicidade, com o trivial, com o trabalho do manejo, dos cuidados... às vezes até com a escassez d´água... afinal, não somos de ferro. É mentira dizer que mãe aguenta tudo. Mãe também é gente e precisa de cuidados, de afeto, de tempo!
Há que resistir!! Às intempéries. À imaturidade do filho. Ao não retorno de tanta doação. Há de se ter ternura. Para persistir. Para perseverar. Para poder ver florir. Para poder ver nascer o amor. Sim! Amor de mãe é construído! Não é inato! Tenho convicção! Assim como a flor da orquídea não é inata. Se não cuidar, ela morre e não vinga. Não floresce. A flor requer tempo. O amor pelo filho também.
E o fato de minha orquídea ter florescido já é um bom sinal!! 😉