domingo, 8 de agosto de 2010

Thánatos

Quando o menino nasceu, seu pai lhe pôs o nome de Noite. Ele era bonito como a lua cheia! E o seu pai quis homenageá-lo com esse nome. Noite era um menino alegre, com muitos amigos, e distribuía sorrisos por onde passava.


Ele cresceu e casou-se com uma linda mulher que se chamava Sol. Ela era mesmo linda, como o raiar do dia... assim como a manhã acontece... quando os primeiros raois desvirginam a madrugada... e a dor da manhã é mesmo desejada.


Assim era Sol! Linda! Desejada!! E mais do que isso!! Cheia de vida!! Ela sim tinha dentro de si o dom da vida e de preservá-la. Quando Noite a conheceu sentiu que sua vida de beleza era diferente da de Sol. E foi isso que o atraiu à ela. Só que lua e sol, noite e dia... não se encontram, exceto num eclispse...

Mesmo sem entender, sem saber... Noite tinha dentro de si a companhia do breu e da tristeza... Pois quem rege as noites é Thánatos. Assim, num dia de muito vento, no meio de um redemoinho, Thánatos exerceu toda força que tinha em Noite. Foi quando Noite destruiu os momentos de alegria com Sol, para viver sozinho... apenas na companhia de si mesmo.


A vida intensa de Sol não era pouca, apenas impossível de mudar a força que Noite tinha dentro de si. E até que ele mesmo se liberte de Thánatos... nada fará com que ele seja feliz de verdade.


Sol ficou triste, porque Noite tinha a luz da lua cheia que a encantava mais que tudo! Mas o desejo de viver e o dom da vida que havia dentro de Sol fez com que ela brilhasse muito depois de algum tempo! Até hoje Sol ilumina tudo a sua volta! E tudo se renova a cada sorriso seu!! "Foi assim, como ver o mar", o dia que ela se apaixonou... Seus filhos são fruto do amor verdadeiro e sincero... Ela é escrava do seu amor, livre para amar!!


Mas Thánatos nunca deixaria Noite ser feliz assim... como Sol é! E é por isso que até hoje, por mais que as noites sejam desejadas pelos boêmios, que a lua encante os enamorados... ainda é na noite que a tristeza e o choro se sentem mais confortáveis... E é à luz do dia que a alegria brota de dentro da alma e que tudo se faz novo!

8 comentários:

  1. Anísia, vejo você cada dia mais se aventurando e se encontrando em textos e poesias, como quem se apronta para se aventurar na vida... Os caminhos lhe esperam... sol, lua, noite, dia, eros (e que se meta thanatos que a gente engole...).

    ResponderExcluir
  2. Nossa, que delícia de post!
    Poxa Anísia, adorei mesmo essa história fabulosa,e concordo que a noite é mesmo o momento mais propício e frio para que a tristeza apareça.
    Tou precisando de uns dias de sol...
    Que Thánatos malvado, esse, mas enfim, crescemos...
    Abraço e obrigada pela visita no anaconfabulando.

    ResponderExcluir
  3. Anísia... que bela leitura. Agora mesmo fiquei com um gosto diferente na boca. Estou procurando, tentando desvendar esse gosto, mas não dá. É gosto do novo. Da leitura que, pelo menos pra mim, não era e que agora você fez ser. Mais alguns belíssimos retalhos seus que estarei trazendo comigo, em minha própria colcha. Beijo, moça. Saudades.

    ResponderExcluir
  4. Netinha, seu texto nos leva a passeios cósmicos, solta a imaginação, mostra a estranheza e sedução que os contrários possuem...
    As trevas da noite penetrando o dia e os raios de sol envolvendo a noite - crepúsculo e aurora - marcam um instante de rara beleza em que contrários se expelem ao se tocarem...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Ah, acabei de lembrar de um colega seu que tb gostaria de comentar este post... rsrsrs

    "Nasce o Sol e não dura mais que um dia,
    Depois da Luz se segue a noite escura,
    Em tristes sombras morre a formosura,
    Em contínuas tritezas e alegria.
    Porém, se acaba o Sol, por que nascia?
    Se é tão formosa a Luz, por que não dura?
    Como a beleza assim se transfigura?
    Como o gosto da pena assim se fia?
    Mas no Sol, e na Luz falta a firmesa,
    Na formosura não se dê constancia,
    E na alegria sinta-se a triteza,
    Começa o mundo enfim pela ignorância,
    E tem qualquer dos bens por natureza.
    A firmeza somente na incostância."

    Gregório de Matos

    ResponderExcluir
  7. Amigos, bom demais tê-los aqui!!
    E se estou me preparando para a vida como diz Marcos, tenho que lembrar do meu "colega" (como disse Messias), o Gregório de Matos: "A firmeza somente na inconstância..." Bjosss!!!

    ResponderExcluir